A Unidade de Proteção de Cultivos da Basf lançou um novo serviço destinado à cultura de cana-de-açúcar, o Harpia. Trata-se de um sistema de monitoramento que captura imagens via satélite convertendo-as em um mapa georreferenciado que permite um monitoramento mais eficiente dos canaviais. “O serviço permite quantificar as áreas com falhas, sem a presença de plantas, auxiliando nas estratégias para manejos futuros, na melhoria do gerenciamento do uso de fertilizantes, defensivos agrícolas, de mão de obra e dos insumos em geral”, afirma Graciela Mognol, gerente de Marketing para Cana-de-Açúcar, Citros & Amendoim da Unidade de Proteção de Cultivos da Basf. O Harpia opera por meio de uma análise espectral de imagens, que são convertidas em um mapa de georreferenciamento. Uma de suas principais vantagens está no fato de oferecer informações de toda a área analisada, de forma ampla e completa. Até mesmo o nome do serviço faz alusão a este objetivo, já que Harpia é o nome de uma ave mitológica em forma de coruja que enxerga de longe e por cima. Seguindo o conceito de agricultura de precisão, a tecnologia caracteriza-se por ser um serviço específico para atender demandas recorrentes acerca de mensuração do desenvolvimento da biomassa ou de identificação de possíveis ocorrências de pragas, plantas daninhas e outros danos nas lavouras de cana-de-açúcar. Harpia integra-se à estratégia da Basf de fornecer não só produtos fitossanitários eficientes, mas uma gama completa de serviços que tenham como objetivo o aumento de produtividade, rentabilidade e, consequentemente, da sustentabilidade das lavouras. “A partir de demandas recorrentes por este tipo de avaliação identificamos a oportunidade de oferecer uma alternativa viável à essa necessidade das usinas”, complementa Graciela. (Com informações da Basf)