10/01/2017

Na última sexta-feira, 6 de janeiro, a Anpei, representada pelos diretores Raimar van den Bylaardt e Geraldo Rochocz, e pelo coordenador do Comitê de Fomento, Luis Cláudio Frade, participou de uma reunião com a diretora do BNDES, Cláudia Prates, com o superintendente da área de indústrias de base, Maurício Neves, com o superintendente da área de indústria e serviços, Cláudio Leal, e com a gerente substituta de inovação, Isabela Brod.

No dia anterior, quinta-feira, 5 de janeiro, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou uma significativa mudança em sua forma de atuação. A instituição passa a dar mais ênfase ao apoio a projetos inovadores e com maior impacto para a sociedade, independentemente do setor.

“Nossa reunião foi muito produtiva, principalmente com o lançamento, pelo BNDES, das novas políticas operacionais e condições de financiamento, o que impacta positivamente os associados da Anpei”, apontou Luis Cláudio Frade.

De acordo com Raimar van den Bylaardt, o objetivo do encontro foi o início de uma articulação para que a Associação realize um trabalho conjunto de avaliação aos novos instrumentos de fomento à inovação. “A ideia é avaliar o resultado disso pelo ponto de vista das empresas e verificar quais são as facilidades e as dificuldades dessas novas linhas”, explicou o diretor da Anpei, que também acrescentou que essa iniciativa foi muito bem recebida pela equipe do banco. “O encontro mostrou que eles estão dando atenção para a Anpei e querendo o apoio da Associação para o desenvolvimento desse trabalho, ouvindo, assim, um pouco mais o cliente”.

Neste contexto, o diretor Geraldo Rochocz propôs a realização de um projeto piloto para o acompanhamento de algumas solicitações de financiamento de associados. “A ideia é que tenhamos uma avaliação efetiva destes novos processos, desde o momento da solicitação do financiamento até sua implementação e execução”, sugeriu Rochocz.

O BNDES ficará responsável pelo recebimento dos projetos e pela verificação de conformidade com as linhas de fomento. “O banco analisará se as propostas são adequadas e se atendem às novas expectativas que o próprio BNDES está enfatizando, como resultados ao trabalhar com projetos, e não mais por setores, dando retorno à Anpei quanto a possíveis melhorias nos projetos, para que, assim, nossos associados possam ser orientados”, disse Raimar.

Outro ponto debatido foi a continuidade dos investimentos não reembolsáveis – FUNTEC. “Eles garantiram que esse financiamento vai continuar, mas nos mesmos patamares de 2016, ou seja, menores do que em 2015. Como toda a linha do banco, estes também passarão a ter foco em projetos que apresentam maior retorno para a sociedade”, acrescentou Raimar.

Na reunião, também foram apresentadas duas novas formas de fomento: Título Híbrido de Apoio à Inovação (THAI) e Fundo Garantidor da Inovação (FGI). “O BNDES ratificou o papel fundamental da inovação em todas as formas de financiamento e a vontade de fortalecer parceria com a Anpei”, pontuou Frade.

Na próxima reunião do Comitê de Fomento, que acontecerá em fevereiro, o BNDES apresentará as novas políticas operacionais e os instrumentos de fomento à inovação para os associados da Anpei. “Essa será uma ótima oportunidade de esclarecimento dos instrumentos de fomento que o BNDES fortalecerá a partir da aprovação das novas políticas operacionais”, finalizou o coordenador do Comitê de Fomento.